14 de abril de 2012

Carta aberta aos jovens


    
     Procura-se jovens artistas, que façam de suas vidas uma bela obra de arte. Encenem no palco do altruísmo, onde o protagonista seja o necessitado. Jovens talentosos que utilizam seus dons à serviço do próximo, sem nada esperar. Que renunciem ao individualismo crônico do século, e junte-se a uma comunidade, pois é mais digno errar junto do que sozinho.
     Que substituam o prazer imensurado pelo desafio de um novo viver. Lutando sem cansaço, talhe sua marca na História, e faça com que sua própria história torne-se luz cintilante no fim do túnel para os que estão iniciando sua jornada, dando a eles a possibilidade de um começo acertado.
     Jovens que não deixem de sonhar, porém com os pés no chão, que façam de seus alucinógenos a caridade. Que troquem a coragem pelo medo do amanhã, que aceitem o sofrimento como uma forma de crescimento, e não fujam da dor, mas a dêem um sentido outro.
     Quer se encontrar jovens que vivam altos ideais, sem ter medo de serem chamados de careta, e se careta é ser diferente, criou-se um novo estilo de vida. A sociedade continua a procura de jovens que assumam o compromisso com o ser humano, de preservar sua essência. Optando pelo vida, sejam construtores de uma outra sociedade fundamentada na ética, com carácter preservem nossas crianças da imoralidade, e fundem seus princípios na verdade geradora da autêntica liberdade.
     Jovens amantes da família, mesmo com todas as dificuldades ocasionada pelo convívio íntimo dos entes. Que não apenas se indignem com a injustiça, mas que nos pequenos atos pratiquem a justiça. Jovens que aprendam que os obstáculos foram feitos para serem superados, e que os sofrimentos existem para lhes ensinar que a vida precisa passar pelo crivo da prova para valer a pena. Que não envergonhem-se de levantar a mais belas das bandeiras, a de Cristo. Moças e rapazes que vivam a castidade, pois esta profunda atitude pertence a quem é grandioso e forte de espírito. E mais, que proclamem: é possível viver, esta ditosa virtude de quem ama, nos dias de hoje, mesmo em meio a uma sociedade medíocre, e uma mentalidade esquálida.
     Sonha-se com jovens do futuro, que idealizem a eternidade, sem se conformarem com o presente incúrio. Jovens imprevisíveis no campo das ideias, conquanto não se deixem ser persuadidos por ideologias enganadoras, que mascaradas por um idealismo falso revelam-se na incoerência.
     Jovens humanos que façam de sua profissão um ato de amor. Impávidos na luta contra o pecado, não deixando-se levar pela onda da massa, pois a massa se fragmenta, então resta a solidão. Jovens que encontrem na breve existência a profundidade do indivíduo, e afastem-se da superficialidade que causa sequelas ao coração.

“Jovens que não deixem de sonhar, porém com os pés no chão” 
    
 Há um mundo apostando nos princípios e valores eternos, que está cansado de meias verdades, sedento pela verdade absoluta inscrita no próprio coração humano. Os desafios são muitos, poucos os agentes destes ideais. A decisão é sua, de alistar-se nesta leva, e trilhar um caminho inverso, mas instigante e com sentido profundo. A aventura é válida se a causa é magna, teu coração te diz que vale a pena, segui-o. Não queira uma vida igual a tudo que se vê, anseie por algo totalmente novo e desafiador. Jovem dê o primeiro passo para sua independência, e enfim virá a tão almejada liberdade.

Graça e Paz, xP.

Rodrigo Stankevicz
Postar um comentário