31 de julho de 2009

Amada

O amor é poder olhar para
a amada e dizer: te amo!
Ou apenas contempla-la até dos
olhos rolarem lágrimas de emoção.


O amor é mais que um ato
sexual consumado, é encontrar
nesta volúpia o elo entre o
amor e o perdão: completar-se.


O amor é aniquilar-se para
a satisfação da amada, é
doar-se a tal ponto que a
amada sinta-se realizada.

O amor é cego, pois só
tem olhos para a amada.
A cegueira é para a aparência,
os olhos abrem-se à sua essência.

O amor é inseparável, há uma
atração enigmática na amada.
A distância corroe os corações,
a saudade corrompe a alma.


Graça e Paz, xP.


Rodrigo Stankevicz.


"Tu és bela, minha querida, tu és formosa!
Por detrás do teu véu os teus olhos são como
pombas[...] Teus lábios são como um fio de
púrpura, e graciosa é tua boca. [...]És toda bela,
ó minha amiga, e não há mancha em ti."
Cântico dos cânticos 4, 1-7
Postar um comentário