2 de março de 2011

Poesia (é a) cor da vida



Compreenda a poesia da vida

Descarte a conjectura insana
Avance além de sua ferida
Que te malogra, engana

Seja o pintor de sua história
Apague o cinza, dê cores!
Brilhe os traços da vitória,
Realce os espaços com amores

Sua vida, folha em branco, orne
Enriqueça com flores a expressão
Contraste a dor, na paz adorne
Vire a página cúmplice da emoção

Passo a passo viva o amor em sentido profundo
Tenha fé, acredite, o mal não veio para ficar
Deus, ígneo ardor, queima o peito fundo
E extenua o maléfico, profusa o amar

A Voz celeste no seio fala,
No silêncio, quando a carne cala
Vibrante, deixa o espírito inquieto
É lâmpada para o caminho reto

Graça e Paz, xP.

Rodrigo Stankevicz
Postar um comentário