13 de janeiro de 2010

O amor



O amor é livre, não tem vergonha
Tira cravo em plena praça pública
Tira ovelhinhas dos olhos no ponto de ônibus
Ele é um chamego na esquina de casa

O amor vai junto comprar pão e leite
Ele é um ciuminho bobo de uma atriz da TV
O amor é um beijo na testa antes da missa
Ele é uma saudade na ausência que flagela o coração

O amor não perde de vista, sempre está perto
Ele é a proteção em situação sem perigo
O amor é o refúgio nos braços no meio do filme de terror
Ele é um passeio de mãos dadas na praça do bairro

O amor são lágrima na despedida de uma viagem
Ele é um largo sorriso na volta da mesma viagem
O amor é o acolhimento na hora da dor
Ele é o ouvido paciente quando nínguém entende

O amor é um beijo molhado que deixa sem fôlego
Ele é uma rosa após longos anos de casamento
O amor é o "eu te amo" no cansaço do dia-a-dia
Ele é o perdão dos erros, pois o amor também é humano

O amor vê nas diferenças apenas riquezas
Ele é a mudança e uma nova oportunidade
O amor é o resgate de uma possibilidade
Ele é o sim na alegria e na tristeza, na vida e na morte.

Graça e Paz, xP.

Rodrigo Stankevicz
Postar um comentário