9 de março de 2010

Caçador de ventos


Hoje à noite fui caçar vento,
Sai com a força e o alento
Encontrei uma furacão irado
E voltei da caça caçado.

Não desisto na primeira vez
Na próxima, consigo talvez
Se não encontrar um tornado
Eu volto da caça ‘enventado’

Fui de novo a caça, atrás de uma ventania,
Procurei sem achar, até o clarear do dia.
Sou brasileiro nato, nunca desisto.
Se o vento não me pega, nele insisto

Encontrei um ninho de vento, ontem
O ninho do vento é uma nuvem
O avô de todos os ventos é o furacão
O pai da ventania é o senhor tufão

Por ventura cacei um vento surfista
Era a maresia, que ficou de pista
Enlacei-a com meu cata-vento
Não foi vento o suficiente pro meu sustento

Nesta aventura nem sempre saio perdedor,
O segredo é sempre caçar com amor,
Um dia o êxito virá,
E a brisa me recompensará.

Graça e Paz, xP.

Rodrigo Stankevicz

"Ontem choveu no futuro."
Manoel do Barros
Postar um comentário