3 de janeiro de 2011

Amor Fênix

Como o inverno recolhe a vida nos galhos e troncos,
Vida que está interiorizada, se reavendo das
Tempestades, dos ventos contrários,
Também vela-se nosso amor.
A seiva nunca para, semelhante ao amor
Pulsante nas veias rumo ao coração,
Que fortalece, avigora o vindouro: a primavera (do amor).


Nosso amor ficou recolhido nos galhos da distância,
Nos troncos do tempo, e robusteceu-se à espera
Da nova estação, de um novo tempo.


Foi o tênue calor da primavera, a despertar
A vida adormecida, entre o cinza frio da paisagem hirta,
A trazer cores, vida, amores, e sarando as feridas.
O verde da esperança nunca se apaga,
Ele surge quando parece tudo estar pintado,
Pelas mãos divinas, com a cor do frio invernal.


Numa espera em ânsias, o amor brotou em meio aos
Primeiros raios ressurrectos solar, da estação das flores.
O brunir do sol dissipou o cinza, das trevas invernia,
Do amor machucado. A estação trouxe
A elegância das flores, o colorido do amor cálido.


Intui que a esperança não é a última a morrer,
Ela apenas se oculta a nossos olhares
Para que em seu mais belo esplendor resplandeça
No verde das folhas, no rosa das flores,
E na rosa, o vermelho paixão.


As primaveras escondem em si um romantismo
Próprio de um conquistador, a força
Renovadora que necessita o amor.


A esperança nunca morre para quem ama, se resguarda.
A seiva da paixão cumpriu seu ofício
De ataviar o amor recôndito.


O tempo, senhor que cura, ofusca a singela visão
Da Mulher das estações, não mais a engana,
Que espera em seu adônis encontrar
O perfeito amor em laços perfumados
E coloridos de Eternidade.
Ao passar da estação o calor aquecerá a opacidade
Da linda flor de cristal, e centelhas acenderão
A transparência da paixão ainda inerte.


O tempo selou seu papel, corroborou em flores
A essência viva que nunca morreu.
A distância uniu em seus contrários de proximidade
Um amor à margem. O amor escondeu-se
Entre as cinzas invernais para alçar voo,
E gerar vida ao esperado amor fênix.


Graça e Paz, xP.


Rodrigo Stankevicz
Postar um comentário