30 de junho de 2012

Por um Bom Censo



         Com sua simplicidade única, nosso Pastor, o Papa Bento XVI, afirmava em sua primeira Missa como Sumo Pontífice, uma frase um tanto contraditória para muitos, porém para nós jovens católicos, um 'dogma' a ser vivido e anunciado: “A Igreja é viva, a Igreja é jovem”. Apesar disto, o Papa nunca negou a crise de fé que vive a Igreja: 
“Estamos perante um profunda crise de fé, uma perda do sentido religioso que constitui um grande desafio para a Igreja de hoje" (Audiência 27/01/2012 - SalaClementina), tanto que em um dos seus discursos recentes, pedia insistentemente “uma profunda renovação da Igreja” (06/02/2012 - Roma).


Neste sentido, mais do que nunca as palavras do Santo Padre soam bem aos ouvidos dos jovens do mundo todo, pois provamos para a sociedade que a Igreja está viva e jovem, prova disto foi a Jornada Mundial daJuventude 2011 em Madrid, na Espanha. Mesmo a mídia do mundo inteiro não tendo divulgado o evento, o fato é que reuniu-se cerca de 2,5 milhões de jovens em torno de um idoso de quase noventa anos, cuja a explicação o mundo não sabe. O objetivo daqueles jovens, que passaram por diversas provações, para estarem naquele mega evento, era preencher o coração com "palavras de vida eterna" (Jo 6, 68) e mostrar para o mundo, que aquelas palavras de Bento XVI, ditas em seu primeiro discurso, eram válidas.


Infelizmente, a grande parte dos veículos de informação noticiam apenas que pesquisas e censos, mostram que o número de católicos no Brasil, vem despencando nas estatísticas. A resposta da Igreja, frente a esses possíveis resultados é clara, não estamos preocupados com a quantidade, mas com a qualidade dos fiéis. Católicos conscientes do que é verdadeiramente a fé da Igreja, vinda da Tradição dos Apóstolos, da Sagrada Escritura e do Magistério da Igreja. Não valeria a pena ter uma igreja lotada, se não tivesse uma fé viva e contagiante. Neste primeiro momento, se faz necessário continuarmos com a renovação da Igreja, como pediu o Bento XVI, e a melhor forma, é sermos fiéis ao que sempre nos foi proposto, a vivência radical do Evangelho, deixado por Cristo. 
A imprensa tem ajudado e muito nesta renovação da Igreja Católica, embora noticiem de forma falaciosa e sensacionalista, as misérias de alguns líderes católicos. Em primeira análise, parece que está causando uma ruptura entre os fiéis e a Igreja, porém aprofundando os fatos, vemos que além de fazer uma limpa na Igreja, desmascaram nossos verdadeiros inimigos, nós católicos temos a plena convicção de que estamos neste barco, porque nele está o Divino Almirante, e que muitos 'piratas' se infiltraram para poder desestabilizar a nossa trajetória.




As pesquisas dos censos aplicados no Brasil, são muito contraditórias, pois as estatísticas sobre a religião (Pergunta 6.12 doQuestionário de Amostra) são geradas a partir de um questionário aplicado em um a cada dez domicílios entrevistados, ou seja, somente cerca de dez por cento da população teve a oportunidade de declarar sua religião. Assim, possivelmente eu e você não fomos interrogados sobre a fé que professamos. 

No questionário básico, aplicado em todos os domicílios entrevistados, não há perguntas sobre a religião (Censo IBGE2010/Questionários), então, constatamos que a maioria dos brasileiros não responderam qual religião seguem. Outro dado importante a se ressaltar, incluído nos catálogos do Censo IBGE 2010, são as diversas religiões denominadas 'católicas', (cerca de 27 denominações) que causaram confusão e divisão no ato da resposta dos fiéis da Igreja Católica Apostólica Romana. 


O IBGE também leva em consideração a resposta do entrevistado, se ele falar uma "religião" que não consta na lista, o entrevistador coloca a resposta dada pelo entrevistado. 

Exemplo: Se dona Maria, pessoa simples, que mora no interior, vai à Missa todos os Domingos na paróquia de São Jorge, então o entrevistador pergunta qual a religião dela, naturalmente em sua simplicidade poderá dizer, que sua igreja é a de São Jorge, assim sendo, será posto no questionário IGREJA DE SÃO JORGE, e entrará para a estatística de OUTRAS RELIGIÕES, junto com todas as religiões sem grande expressão no Brasil. Este método causa muita confusão e divide ainda mais as estatísticas referentes à Igreja Católica Apostólica Romana, deveria ter um critério mais preciso e objetivo, para não causar tanto desentendimento.





É bem sabido, que a única resposta a ser dada ao Censo do IBGE aos fiéis à religião do Papa é IGREJA CATÓLICA APOSTÓLICA ROMANA, qualquer resposta fora deste parâmetro, pode causar ambiguidade ou ser passível de erro pelos técnicos analistas do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. 





Em contrapartida, o Centro de Estatística e Investigações Sociais, constatou no Censo CERIS 2010, um aumento no número de sacerdotes e religiosos, também foi verificado um aumento no número de paróquias:

"O número de padres está em constante evolução. Em 2000 eram 16.772 padres. Em 2010 chegou a 22.119 padres. A distribuição de padres por habitantes é outro fator levantado pela pesquisa. Em 2000 havia pouco mais de 169 milhões de habitantes e para cada sacerdote eram 10.123,97 habitantes. Dez anos depois havia aproximadamente 190 milhões de habitantes e cada teria o número de 8.624,97 habitantesO censo apresentou também outros dados, como uma evolução tímida do número de religiosas, o aumento de paróquias e a criação de novas dioceses, mostrando uma Igreja organizada e em constante crescimento
. "(Portal A12)


         Vemos nesses dados, que não temos um ótimo resultado na distribuição de padres por habitantes, porém, são dados satisfatórios, que mostram uma Igreja viva e organizada. Com a renovação constante da Igreja, no futuro, teremos padres mais conscientes da missão, se pré-dispondo em ir ao encontro dos fiéis. Pois, isto já repercutiu na Conferência de Aparecida, ocasião em que foi lançado o Projeto de Evangelização da Missão Continental. A consciência, a começar dos próprios presbíteros, é a "Igreja estar em permanente estado de missão", essa é uma das perspectivas da Ação Evangelizadora da Igreja no Brasil (2011-2015).


Sendo assim, a Igreja quer contar com católicos missionários, que desbravem novos horizontes, transmitindo a fé através do testemunho, da vivência da Palavra de Deus e se alimentando da Eucaristia, para o fortalecimento da fé em Cristo ressuscitado. Urge a necessidade de evangelizar "novos areópagos: mundo universitário, da comunicação, dos empresários, dos políticos, dos formadores de opinião..." (Missão Continental).  

Essas são algumas diretrizes a serem postas em prática pelos fiéis católicos, desta maneira, conseguiremos transmitir a fé, de modo adequado ao homem moderno, que está cada vez mais sedento de um sentido para a vida e de profundidade em seu próprio mistério.


Estes aspectos, levantados no Projeto de Evangelização da Conferência de Aparecida, já vem mostrando alguns resultados, tímidos, porém com um futuro promissor. Com mais frequência, a juventude está sendo atraída, pelo novo modo com que a Igreja está se comportando nas redes sociais, de uma maneira totalmente nova, está cada vez mais perto de seus fiéis. Tem até padres com "paróquias virtuais", um exemplo disto é o Padre Joãozinho, SCJ. (@PadreJoãozinho) com quase quarenta e um mil seguidores no Twitter, ele cativa, forma, se aproxima de seus fiéis através do microblog. Contudo, conscientiza seus seguidores de que somente no mundo dos sacramentos e vida em comunidade é que se pode ter uma experiência concreta com Jesus Cristo, o meio virtual serve apenas para complementar a formação e ajuda na evangelização das ovelhas sem pastores.



A Igreja Católica no Brasil se prepara para sediar o maior evento católico do mundo, que reunirá milhões de jovens em torno do Santo Padre Papa Francisco, será mais uma oportunidade para a Igreja mostrar sua jovialidade e vivacidade perante toda sociedade. Especialmente, por ter como sede a Cidade Maravilhosa, o Rio de Janeiro, conhecida principalmente por sua hospitalidade e alegria. Estima-se que cerca de 2,5 milhões de jovens se encontrarão para mais alguns dias de bençãos, porém este número pode dobrar em se tratando da América Latina, pois a maioria dos países são majoritariamente católicos.
Com certeza será uma grande festa da fé, dias em que o mundo mais uma vez presenciará o testemunho de uma Igreja Jovem, que não se preocupa com meras estatísticas, mas, sobretudo com a formação de seus fiéis, despertando-os para a verdadeira vida.

Graça e Paz, xP.

Postar um comentário