27 de junho de 2009

Solidão


No quarto a noite,
em companhia da solidão.
Egresso o ego, e
esvazio meu coração.

Cesso os pensamentos,
e as faculdades do meu ser.
Deparo com a inópia
da minha alma, a crer.

Em cena, Deus sussurra
e despede a solitude.
Distante do real, no místico
mergulho; no limiar da plenitude.

Em Deus repousa meu
ínfimo espírito, a debruçar.
A junção perfeita só a
sapiência à conceituar.

A noite escura e solitária
encontrou na nitidez o descanso.
A alma inquieta e abatida,
comunga do perfeito remanso.

Graça e Paz, xP.

Rodrigo Stankevicz.

"Fizeste-nos para Ti e inquieto está o nosso
coração enquanto não repousar em Ti"
Santo Agostinho
Postar um comentário